Juíza bloqueia bens de Cabral, Pezão, Picciani e outros por improbidade » Witzel: investigação diz que deputada sofreu tentativa de latrocínio » Macri: viagem ao Brasil é começo de salto para a frente no Mercosul » Presidente do Peru nega vínculos de sua empresa com Odebrecht » Ford espera prejuízo de US$ 112 milhões no 4º trimestre » EUA e Canadá prometem processo 'imparcial' para executiva chinesaOs Estados Unidos e o Canadá promet » Centro de Zoonoses alerta população sobre riscos de picadas de insetos no verão »


Ex-presidente do Egito é condenado a 3 anos de prisão por ofender juízes

O Tribunal Penal do Cairo condenou hoje (30) o ex-presidente egípcio Mohammed Mursi a três anos de prisão por ofensa ao Poder Judiciário.

A agência oficial de notícias Mena explicou que Mursi e 19 acusados, entre eles líderes e membros da Irmandade Muçulmana, receberam uma pena de três anos por "ofender a autoridade judicial e atacar seus representantes para divulgar o ódio".

Eles também terão que pagar 1 milhão de libras egípcias (cerca de US$ 56 mil) ao presidente do Colégio de Juízes, Ahmed al Zend, em compensação por uma ação apresentada pelo magistrado.

Mursi ainda terá que pagar outro milhão de libras egípcias de indenização a um juiz. As informações são da agência de notícias EFE.

O ex-presidente está sendo julgado desde sua deposição em um golpe de estado militar em junho de 2013. Ele e grande parte dos membros da Irmandade Muçulmana foram presos desde a queda do poder, principalmente depois de o grupo ter sido considerado como terrorista pelo governo do Egito em 2014.

Ao lado do ex-guia supremo da Irmandade Muçulmana, Mohammad Badia, Mursi foi condenado à morte e à prisão perpétua em diferentes casos já julgados pela justiça do país.

 

 

Adicionar comentário

É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.


Código de segurança
Atualizar

Soluções em Informática!