'Militares precisam ter garantia para agir sem risco de nova Comissão da Verdade', diz Villas Boas » Câmara aprova decreto de intervenção no Rio; senadores votam medida nesta terça » Após PTB desistir de Cristiane Brasil, paraibano é cotado para assumir o Ministério do Trabalho » Maluf é afastado do mandato de deputado federal » Moradores do DF, Tocantins e de Mato Grosso já pode receber alerta de clima em SMS » CMJP e ALPB retomam os trabalhos legislativos nesta terça-feira » Policial militar morre vítima de choque elétrico em Sapé »


Temer é “vampiro neoliberal” no Carnaval da Paraíso da Tuiuti, no RJ

O tom de contestação que marca o carnaval na Marquês da Sapucaí, com críticas especialmente lançadas ao prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, não poupou Michel Temer, o primeiro presidente da República investigado por suspeita de crime no exercício do mandato em toda a história do Brasil. E a tarefa de criticá-lo coube à escola de samba Paraíso da Tuiuti, estreante no grupo de elite dos desfiles. Retratado como um vampiro “vampiro neoliberalista”, a imagem de Temer como patrocinador de políticas que favorecem o mercado financeiro constrangeu apresentadores da TV Globo (veja o vídeo e leia mais abaixo), que tem exclusividade na transmissão do show.

A escola adentrou a avenida neste domingo (11) e, em sua primeira participação junto com gigantes como Mangueira, Portela e Beija-Flor, trouxe ao grande público um forte discurso contra mazelas políticas e sociais. Com o samba “Meu Deus, Meu Deus, Está Extinta a Escravidão?”, a agremiação soltou o grito contra o racismo renitente na sociedade brasileira, com suas variadas formas de “escravidão” social – entre elas, as relações trabalhistas recentemente modificadas pelo governo Temer, com o auxílio providencial do Congresso.

No encerramento do desfile, a Tuiuti destacou no alto de um carro um homem de terno e cabelos grisalhos portando a faixa presidencial. Com a denominação de “vampiro neoliberalista”, a alegoria fez uma clara alusão a Temer, em um carro onde viam “paneleiros” com camisas da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A crítica foi mais longe: a ala intitulada “Manifestoches” exibiu passistas fantasiados de patos amarelos, numa analogia aos protestos de rua que ganharam corpo em 2016 e, simbolizados com o pato amarelo gigante concebido pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), contribuíram para o impeachment de Dilma Rousseff.

 

 

Adicionar comentário

É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.


Código de segurança
Atualizar

Soluções em Informática!