PT gasta R$ 1,5 milhão com advogados de defesa de Lula, diz jornal » China anuncia retaliação e vai impor sobretaxa a mais de 5 mil produtos » Justiça eleitoral concede direito de resposta a Bolsonaro » “É lamentável ver a mudança de discurso do deputado federal Veneziano", diz Daniella Ribeiro » José Maranhão e João Azevedo estão tecnicamente empatados no segundo turno » Fugitivos do presídio do PB1 são incluídos na lista da Interpol pela Polícia Federal » Senac inscreve para 2,8 mil vagas em cursos em quatro cidades da Paraíba »


Juíza determina reintegração de fazenda de José Maranhão ocupada pelo MST

Resultado de imagem para Juíza determina reintegração de fazenda do senador Maranhão ocupada por integrantes do MSTA juíza da 1ª Vara Mista de Araruna, no Agreste paraibano, Clara de Farias Queiroz, determinou nesta quarta-feira (11) a reintegração de posse da fazenda Volta, da família do senador José Maranhão, na cidade de Tacima, a cerca de 153 km de João Pessoa.

A fazenda foi ocupada por cerca de 200 famílias de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) desde a madrugada desta terça-feira (10).

De acordo com a direção do MST na Paraíba, apesar de policiais estarem no local da ocupação desde o início da manhã, os manifestantes vão permanecer instalados no local.

Segundo a decisão, em caráter liminar, os manifestantes têm um prazo de 24 horas, a contar a partir da notificação, para desocupar voluntariamente a propriedade rural. Caso a ordem não seja atendida dentro do prazo concedido, deve ser feita a retirada compulsória dos invasores.

No texto, a juíza Clara de Farias Queiroz também determina a requisição da força pública para o cumprimento da decisão, considerando o elevado número de manifestantes. A decisão ainda requisita também a presença do Conselho Tutelar e do Conselho do Idoso do município para acompanhar as diligências.

A ação de reintegração de posse, com pedido liminar, foi promovida pelo senador José Maranhão e pela esposa dele. Segundo o documento, por causa da ocupação, os requerentes se encontram impedidos de exercer atividades na propriedade, inclusive sem possibilidade de controle sobre os bens móveis e semoventes que se encontram no local.

De acordo com uma nota emitida pelo MST, a ocupação integra o calendário da Jornada Nacional de Lutas Pela Reforma Agrária, que além de rememorar os 22 anos do massacre de Eldorado dos Carajás, denuncia a paralisação da reforma agrária e a criminalização dos movimentos sociais.

A liberdade do ex-presidente Lula, preso no sábado (7) após investigações da Operação Lava-Jato, também faz parte do protesto do MST.

Com informações do ClickPB

 

Adicionar comentário

É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.


Código de segurança
Atualizar

Soluções em Informática!