'HackFest/Virada Legislativa' confirma educador português e diretor executivo do ITS-Rio no evento » Justiça Eleitoral abre habilitação para voto em trânsito » Com crise, bancos têm sobra de R$ 100 bilhões para crédito imobiliário » Novos valores para licitação começam nesta quinta-feira » TJPB agenda para setembro mutirão da Energisa na Comarca de Catolé do Rocha » Corrida Noturna da Advocacia vai arrecadar alimentos para Vila Vicentina » Pedro Cunha Lima é eleito melhor parlamentar »


Moro lamenta, mas cancela uso de tornozeleira por José Dirceu

Em despacho, juiz diz não imaginar que medida tinha se tornado desnecessária


SÃO PAULO - O juiz Sergio Moro cancelou nesta terça-feira as cautelares que impôs ao ex-ministro José Dirceu, como o uso de tornozeleira eletrônica e a proibição de viagens, após decisão proferida pelo ministro Dias Toffoli, da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo a defesa de Dirceu, e o ex-ministro já estava a caminho de Curitiba para colocar a tornozeleira e retornou a Brasília quando soube da decisão.

O juiz recebeu a decisão de Toffoli esclarecendo que a suspensão da execução da pena de Dirceu significa "liberdade plena" enquanto aguarda julgamento do recurso especial.


Moro disse que estava "aparentemente equivocado": "Não se imaginava, ademais, que a própria maioria da Colenda 2.ª Turma do STF que havia entendido antes, na pendência da apelação, apropriadas as medidas cautelares, entre elas a proibição de que o condenado deixasse o país, teria passado a entender que elas, após a confirmação na apelação da condenação a cerca de vinte e sete anos de reclusão, teriam se tornado desnecessárias".

Resultado de imagem para sergio moro

Moro havia determinado, além do uso de tornozeleiras e proibição de sair de Brasília, a entrega de passaportes.

Ao voltar atrás após determinação do ministro Dias Toffoli, Moro lamentou que restabelecimento das medidas cautelares tenha sido interpretado como "claro descumprimento" da decisão da Corte. No despacho, disse que buscava cumprir a decisão do Supremo, uma vez que a 2ª Turma havia decidido antes, na votação de um Habeas Corpus, pela necessidade de medidas cautelares.

A decisão anterior da 2ª Turma, a que se referiu Moro, foi o julgamento de um habeas corpus em maio de 2017. Na época, Dirceu cumpria prisão preventiva e a defesa alegou que não havia motivo para mantê-lo preso, já que não tinha indícios de que ele tentara atrapalhar as investigações. Além disso, lembrou o advogado, Dirceu havia recebido indulto da pena no caso do Mensalão.

 

Adicionar comentário

É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.


Código de segurança
Atualizar

Soluções em Informática!