Câmara de Campina aprova projeto que torna 2019 em “Ano Jackson do Pandeiro” na cidade » PM apreende plantação de maconha e prende homem, na Capital » João Azevêdo diz que não recebeu convite algum de Jair Bolsonaro » Bolsonaro anuncia diplomata Ernesto Araújo como ministro das Relações Exteriores » Saída de Cuba do Mais Médicos afeta 28 milhões de pessoas, diz Confederação dos Municípios » Roberto Campos Neto comandará Banco Central no governo Bolsonaro » Nonato Bandeira descarta assumir cargo no governo João Azevêdo e anuncia saída da presidência do PPS »


Procon alerta que é proibida a cobrança da consumação mínima em locais de entretenimento

Resultado de imagem para Procon JPO consumidor que frequenta bares, restaurantes, danceterias, casas noturnas e similares deve ficar atento para não ser vítima de uma irregularidade: a cobrança da consumação mínima, ou seja, o estabelecimento não poderá impor limites quantitativos para consumo em seus produtos e serviços disponíveis. A proibição está prevista no Código de Defesa do Consumidor (CDC) e na lei municipal 12.519.

Para impedir essa prática, a Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) está realizando campanha educativa informando sobre a legislação que regula o tema. “Saliento que a campanha Não Abuse! sobre a proibição da imposição da cobrança de consumação mínima é educativa, mas não isenta os estabelecimentos de arcarem com as conseqüências, caso estejam descumprindo a legislação”, alertou o secretário Helton Renê.

O titular do Procon-JP acrescenta que a campanha Não Abuse! é dirigida aos dois lados da relação consumerista e serve de alerta ao consumidor, mas no que se refere aos estabelecimentos, se algum for pego praticando essa irregularidade, sofrerá as penalidades previstas na legislação, e podem ser multados e ainda terem suas atividades temporariamente suspensas.

Abusiva – Helton Renê explica que o artigo 39, inciso I do CDC proíbe aos fornecedores a imposição de limites quantitativos na venda de produtos e serviços. “A cobrança da chamada ‘consumação mínima’, aquela taxa estabelecida aos clientes para que consumam um valor mínimo, fere frontalmente o CDC e o cidadão, que é vítima de uma prática abusiva”.

Helton Renê acrescenta que isso não pode ocorrer porque ninguém deve pagar por algo que não consumiu. “Ainda recebemos reclamações e pedidos de orientação sobre a questão. O que recomendamos é que o consumidor não deixe isso passar e, se for vítima dessa irregularidade, aconselho que guarde a comanda ou algum documento que comprove a prática da consumação mínima para que tomemos as medidas cabíveis. Ninguém pode entrar em um local e já ter definido um valor mínimo de consumo”.

Lei 12.519 – A lei municipal 12.519/2013 dispõe sobre a proibição de cobrança de consumação mínima em bares, danceterias, restaurantes, casas noturnas e afins de João Pessoa. “A lei regula os procedimentos no que diz respeito aos estabelecimentos que costumam cobrar ingressos para entradas e ainda vinculam isso à consumação mínima dentro do local”.

Postos de atendimento do Procon-JP

Sede – segunda-f eira a sexta-feira: 8h às 14h na sede situada na Avenida D. Pedro I, nº 473, Tambiá

Telefones: segunda-feira a sexta-feira das 8h às 14h: 0800 083 2015, 32 14-3040, 3214-3042, 3214-3046

MP-Procon – segunda-feira a sexta-feira: 8h às 17h na sede situada no Parque Solon de Lucena, Lagoa, nº 300, Centro

 

 

Adicionar comentário

É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.


Código de segurança
Atualizar

Soluções em Informática!