Câmara de Campina aprova projeto que torna 2019 em “Ano Jackson do Pandeiro” na cidade » PM apreende plantação de maconha e prende homem, na Capital » João Azevêdo diz que não recebeu convite algum de Jair Bolsonaro » Bolsonaro anuncia diplomata Ernesto Araújo como ministro das Relações Exteriores » Saída de Cuba do Mais Médicos afeta 28 milhões de pessoas, diz Confederação dos Municípios » Roberto Campos Neto comandará Banco Central no governo Bolsonaro » Nonato Bandeira descarta assumir cargo no governo João Azevêdo e anuncia saída da presidência do PPS »


Justiça do Trabalho condena Botafogo-PB a pagar indenização a ex-funcionário

Resultado de imagem para centro de treinamento botafogo pbO Botafogo-PB foi condenado nesta terça-feira (11), pela Justiça do Trabalho, a pagar verbas rescisórias e salários retidos, a um estudante de Educação Física, que trabalhou na equipe em dois períodos, um deles como auxiliar técnico e outro como jogador do clube.

A relatora do processo, desembargadora Ana Maria Ferreira Madruga, manteve a decisão da primeira instância e observou que o autor trabalhou para o Botafogo-PB em dois períodos, sendo de 1992 a 1993 como atleta e de 2014 a 2015 como auxiliar técnico do time. No processo foram anexadas fotografias em que o autor aparece vestindo a camisa da Comissão Técnica. “A despeito dos argumentos do recorrente, não vislumbro razão para reforma da sentença de primeiro grau”, disse a magistrada.

Segundo a desembargadora, ao admitir que o autor frequentava a sede do Botafogo na condição de estagiário, o clube atraiu para si o ônus da prova de suas alegações, encargo do qual não se desincumbiu. “É que não há nos autos qualquer prova da existência de contrato de estágio, na forma que estabelece a Lei 11.788/2008. Não cuidou o clube sequer de juntar o instrumento de formalização do suposto estágio, com intervenção da instituição de ensino, supervisão das atividades do estagiário, avaliação e etc”, disse.

Comprovação

Sob a alegação de que o estudante havia requerido um estágio não remunerado na função de preparador físico, o Clube apresentou as súmulas dos jogos realizados pelo time durante o período do suposto contrato de trabalho, onde constavam todas as informações técnicas da agremiação e confirmavam que o reclamante nunca integrou a equipe profissionalmente.

Para a relatora, o fato do nome do estudante de Educação Física não constar nas súmulas dos jogos não surpreende, já que o vínculo de emprego era clandestino. Além disso “as fotos apresentadas na inicial comprovam que o autor estava presente nos jogos e vestia a camisa da Comissão Técnica”, disse a magistrada, que negou provimento ao Recurso Ordinário do Clube de Futebol. A decisão foi acompanhada, por unanimidade, pela Primeira Turma de Julgamento do TRT da Paraíba.

Com informações do Portal Correio

 

Adicionar comentário

É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.


Código de segurança
Atualizar

Soluções em Informática!