Queda de helicóptero mata jornalista Ricardo Boechat em SP » Manoel Junior perde foro privilegiado em processo da Lava-Jato » Boletos do IPTU e TCR 2019 começam a ser entregues a partir desta semana » Sobe para 160 número de mortos identificados em Brumadinho » Brasil abrirá centro de armazenamento de ajuda humanitária para Venezuela » Contas de 2017 de Marcos Vinícius frente à CMJP são aprovadas por unanimidade » Europa planeja missão à Lua em 2025 »


Presidente do Peru nega vínculos de sua empresa com Odebrecht

Resultado de imagem para Presidente do Peru nega vínculos de sua empresa com Odebrecht

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, rejeitou nesta terça-feira qualquer vínculo de sua empresa com o grupo Odebrecht, acusada de sobornar políticos e empresários para conseguir obras públicas em vários países da América Latina.

"Nunca prestei serviços à Odebrecht", disse o presidente, que pediu que o investiguem, após participar da campanha 'Praias Saudáveis' em Lima.

O presidente explicou que a empresa CyM Vizcarra, da qual faz parte, prestou serviços a algumas companhias que construíram a estrada Interoceânica Sul. "Isto jamais neguei, o que nego é ter prestado serviços à Odebrecht".

O programa de TV "Panorama", do Canal 5, assinalou no domingo que Vizcarra não foi preciso sobre se sua empresa prestou serviços à Odebrecht.

Parlamentares dos partidos opositores Força Popular e Apra informaram que analisam se criarão uma CPI para investigar o caso.

"Que algum político questione nosso modo de agir não nos incomoda absolutamente porque temos a solidez de um trabalho correto e honesto que sempre fizemos e o povo sabe disto", declarou Vizcarra.

"Não prestei qualquer serviço à Odebrecht. Se duvidam disto, que investiguem, não temos nada a temer. A intenção é confundir, porque se investigarem não encontrarão nada de irregular".

Uma equipe especial de procuradores já investiga no Peru os laços da Odebrecht com os ex-presidentes Alejandro Toledo (2001-2006), foragido nos Estados Unidos; Ollanta Humala (2011-2016), que esteve preso durante nove meses com sua esposa, Nadine; Alan García (1985-1990, 2006-2011) e Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), que renunciou em meio a denúncias de corrupção.

 

Adicionar comentário

É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.


Código de segurança
Atualizar

Soluções em Informática!