Bolsonaro indica deputado mais votado de Minas para o Ministério do Turismo » Samuka Duarte é condenado por improbidade administrativa por acúmulo de cargos » Colisão com asteroide provocará explosão extremamente poderosa » PRF divulga edital de concurso público com 500 vagas e salário de R$ 9,4 mil » Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica discute obesidade e tratamentos em JP » Veneziano anuncia audiência com Ministro da Integração para debater vazão da Transposição na PB » TRF4 mantém condenação de Dirceu »


Em todo mundo, onde reina a democracia, as Cortes Supremas oscilam o número de componentes, os quais aguentam até o final do mandato ou, o tempo bastante para ser útil ao trabalho. Para destaque temos a Supreme Court of United States, sediada em Washington e composta por apenas nove Juízes que ficam nos seus respectivos cargos até a morte ou, a aposentação por falta de condições.

O nosso Brasil independente, desde 1808, somente teve seu Supremo Tribunal de Justiça, através da Constituição Republicana de 1891, com a instalação formal ocorrida em 28 de fevereiro daquele ano, sob a presidência interina do ministro Sayão Lobato, o Visconde de Sabará. As históricas balançadas da nossa Corte Maior se destacam na tormenta do Estado Novo, com nomeações à vontade pelo então presidente de Getúlio Vargas, o que mais nomeou ministros, no total de vinte e um, não se submetendo ao crivo legal do Senado Federal. Mais tarde veio o Golpe Militar de 1964, o presidente do STF, e o ministro Álvaro Moutinho Ribeiro da Costa, em audiência, com o general Castelo Branco, na condição de presidente do regime militar instaurado, teria dito que não admitia repressão que ameaçasse o julgamento de qualquer membro. Daí veio o episódio conhecido como “O Caso das Chaves”, onde o STF fecharia suas portas, entregando as chaves ao Palácio do Planalto.

Atualmente, nossa Corte Especial completou 123 anos de atuação sob o regime republicano, com onze ministros escolhidos pelo presidente da República e submetidos à sabatina do Senado Federal, sobre qualquer matéria, exigindo-se, além do saber jurídico, reputação ilibada dos candidatos. Inclusive, pasmem, a História brasileira nunca registrou a independência do Parlamento para recusar indicados! Há quem diga que a sabatina é apenas um ‘faz de conta’. A única restrição de acesso ao STF é o limite de idade, entre trinta e cinco  e sessenta e cinco anos de vida, e os setenta anos para aposentadoria compulsória.

Um ministro diferente logo marcou como sendo o primeiro negro na História da nossa Corte Suprema: Joaquim Barbosa logo foi alçado ao cargo de presidente, abrindo a voz para dizer ser contra o ‘foro privilegiado para autoridades’ e a restrição ao costume de ‘despachar com advogados’, para ser uma exceção.

Memorável mesmo foi o processo judiciário, logo denominado de mensaleiros, abrindo importantes espaços na mídia nacional e internacional, envolvendo gente fina, a exemplo de políticos, banqueiros, empresários, funcionários graduados, dentre outros. Grande maioria foi recolhida à cadeia da Papuda pelos crimes de estelionato, lavagem de dinheiro, corrupções ativa e passiva, evasão de divisas, formação de quadrilha e gestão financeira fraudulenta. Também foi Barbosa quem bradou e fez eco no plenário da STF, para não deixar o processo galgar um fim incerto e prescrito aos criminosos.

Hoje, demonstrando visível cansaço da vida e do judiciário federal, na simplicidade de dizer a quem ouvir, anunciou que renunciaria ao cobiçado cargo de Presidente do STF. Motivos não foram claramente explicados. Sabe-se que poderia se aposentar para cocorrer à Presidente da República, com condições amplas de eleger-se, mas não o quis neste momento político. Diferente de outros, o cidadão Joaquim segue a vida sem retoques, lavando as mãos limpas de quem ama a sua pátria! FICA, JOAQUIM!

(*) Advogado e desembargador aposentado

  • 0 Comentários

Vemos o nosso Brasil enraizado e mergulhado no crime do colarinho branco e na corrupção das instituições públicas, sempre temperada abuso de autoridade e no egocentrismo dos poderosos de plantão.As malas do ex-ministro, Gedel Vieira Lima, encontradas e apreendidas pela Polícia Federal, me trouxe reflexões sobre os limites da riqueza material e da ganância existencial.

Lembrei-meda fábula árabe do Clube dos 99que, metaforicamente mostra a pureza do ser humano corrompida pelos bens e pelo poder, fazendo com que passemos a vida buscando o que não precisamos, precisamos de pouco para viver.

A celebre peça O menestrel do escritor William Shakespeare, traz ensinamentos simples para a vida cotidiana, pois “aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão” e “que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida”.

O cenário visto com as inúmeras malas escancaradas e repletas de dinheiro sujo,revela quão degradante é o vício pelo dinheiro e poder. Até onde chega a ganância do ser humano, não conseguindo retirar da cabeça o que levou a ser humano juntar, tanto dinheiro ilícito e a continuar em busca do poder.

Muitas vezes é preciso parar e refletir, com as atitudes alheias, como as malas do Gedel, pois muitos de nós fazemos parte do clube dos 99, precisando nos afastar do consumismo, lembrando precisamos de muito pouco para sermos felizes, que olhemos para os nossos familiares e amigos, além de valorizarmos o que já construímos com o suor do nosso trabalho, deixando de lado tal do “um pouco mais!”.

Finalizo com as palavras sagradas: “Eu te peço duas coisas, não mas negues antes de minha morte: afasta de mim falsidade e mentira, não me dês nem pobreza nem riqueza, concede-me o pão que me é necessário,para que, saciado, eu não te renegue, e não diga: Quem é o Senhor? Ou que, pobre, eu não roube, e não profane o nome do meu Deus.”(Provérbios, 30, 7-9)

(*) Desembargador aposentado

  • 0 Comentários

É corriqueiro nos processos de separação haver desgaste entres os companheiros, as brigas por pensão e guarda é a tônica dos processos litigiosos.A lei da alienação parental – a Lei nº 12.318/2010 – completou sete anos em vigor, contudo, o judiciário não tem feito muita força para coibir tais práticas ilegais.

De acordo com a lei, é considerado alienação parental todo ato de interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitoresou por quem tenha a criança sob sua autoridade, guarda ou vigilância.

Dentre os motivosconsiderados pela lei como alienação parental citamos: desqualificar da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade; dificultar o exercício da autoridade parental; dificultar contato com genitore convivência familiar; omitir deliberadamente a genitor informações pessoais relevantes sobre o filho (escolares, médicas e alterações de endereço); apresentar falsa denúncia contra genitor ou familiares, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança; emudar o domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a convivência com o outro genitor e familiares.

As punições pela pratica de alienação parental vão de advertências, passando por imposição de multa e até a suspensão da autoridade parental, hipótese extremamente grave.

Na realidade, a lei garante punições, mas por se tratar de atribuição de pena por ato praticado muitas vezes é asfixiada a punição por critériosabsolutamente subjetivos, ainda é possível ver decisões punitivas demasiadamente brandas e incapazes de promover o efeito pedagógico esperado.

A lei se for aplicada corretamente será capaz de coibir muitos os abusos de genitores, que usam os filhos para pressionar os antigos cônjuges, no intuito de força-los a retornarem o relacionamento, pagar pensões altas ou mesmo conseguirem patrimônio.

O pior de tudo é que as mães e os pais que cometem alienação parental não sabem que tais atos constituem em verdadeiras agressões psíquicas, inclusive, até comportamentos sutis, por vezes imperceptíveis, são perigosos e capazes de prejuízos psicológicos dificílimos de serem corrigidos até com acompanhamento de psicólogos, podendo prejudicar a criança para o resto de suas vidas.

De fato é de se parabenizar a atitude do Legislativo em construir instrumento normativo que visa coibir a agressão pisciolgocia de crianças e adolescentes feitas geralmente por qualquer dos genitores, com vistas a prejudicar o seu ex-companheiro, que na realidade só prejudicar a criança com a lavagem cerebral negativa e perniciosa.

Cabe ao Judiciário deixar a timidez, punido severamente os agressores, além de iniciar campanha de conscientização, junto com o Ministério Público e OAB lutarem pela conscientização dos malefícios da alienação parental. Aos pais fica a lição que o amor é o melhor remédio para curar as feridas e nunca passem para seus filhos suas desilusões amorosas.

 

(*) Desembargador Aposentado

  • 0 Comentários

O Ponto Extremo Oriental das Américas, em nossa capital, está ameaçado pela erosão.Mas, nos últimos tempos, o desgaste causado pela erosão tem fragmentado a falésia que é nosso cartão postal, o quevem a cada dia se agravando, ameaçando, inclusive, o farol, marco construído para simbolizar o ponto geográfico, sendo necessário tomar-se uma medida ainda mais radical, qual seja: ninguém mais transita, nem a pé.

Na ultima semana, a calçada cedeu e a área foi interditada totalmente. Mais à frente, o mirante "desapareceu".

Estudos mostram que a falésia já esteve dentro do mar e tem diminuído até dois metros por ano. De baixo, é possível entender a gravidade, sendo o material que se desprende muito frágil, despedaçandona mão, sendo possível, em vários trechos,observar as marcas da violência do mar, ficandoem vários pontos a base da barreira mais estreita que o topo.

Ocorre que existe uma disputa entre Governo do Estado e a Prefeitura de João Pessoa (PMJP) sobre a situação da barreira do Cabo Branco, o Ministério Publico tentou intermediar uma busca para a solução envolvendo a Prefeitura e Governo, a bem da verdade, temos um problema sério que deve ser tratado com muita urgência.

Segundo o geógrafo Williams Guimarães que faz parte do grupo que monitora a região, as causas da erosão não são apenas naturais."No topo da falésia, temos tráfego de veículos, que contribui de forma direta para desagregar o solo. Há falta de vegetação e construções de engenharia, que também potencializam esse processo", explica o geógrafo.

A prefeitura Municipal de João Pessoa iniciouProjeto de contenção da barreira do Cabo Branco com uma empresa de engenharia que foi contratada para fazer o Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) da barreira, mas até agora nada de concreto foi realizado.

Brigas políticas devem ficar alheias à preservação do bem maior de um patrimônio histórico que vem sendo destruído a cada dia pela força da mãe natureza como também do homem. O ponto oriental das Américas está se esvaindo e as autoridades nada fazem com uma burocracia sem precedentes, deveriam ter a mesma rapidez realizada com o processo de desocupação dos bares do jacaré.

A barreira do Cabo Branco sofre com a erosão intensa – desgaste do solo que pode ser natural ou por ação do Homem – há 15 anos, Pergunta-se,quanto tempo teremos que esperar?

 

  • Desembargador aposentado e advogado
  • 0 Comentários

A invenção da Internet, sem dúvida alguma, foi acontecimento a interferir na vida humana em todo planeta, porque constituiu avanço tecnológico que permite, em tempo real, a comunicação dos povos em processo fabuloso de aculturação.

Ouvia muito se falar no novo fenômeno da comunicação online e em tempo real que é o Instagram foi criado por Kevin SystromMike Krieger e lançado em outubro de 2010. O serviço rapidamente ganhou popularidade, com mais de 100 milhões de usuários ativos em abril de 2012. Hoje, o Instagram está sendo utilizado para fins comerciais, que deixou de ser um aplicativo apenas de compartilhamento de fotos e vídeos, para torna-se uma ferramenta de negócios e até mesmo mídia de apoio para empresas físicas, o que valoriza seu perfil comunicador e integrador.

Tinha dificuldade em entender o que seria portal, site, blog, face book, orkut, newface, e tantas criações do mundo mágico da internet. No entanto, meus filhos Markito e Hiltinho, depois que recusei fazer parte dessas comunidades, pressionaram- me para aderir ao Twitter e Instagram.

De início não me interessei tanto, entretanto, a insistência dos filhos foi alicerçada com fotos de encontros familiares e reuniões com amigos, o que significa comunicação limpa e divulgação ampla, o que me fez render à sua proposta.

Formalizaram meu endereço eletrônico na comunidade do Instagram, timidamente comecei a fazer minhas primeiras incursões. De retraído, tímido e cauteloso, passei a “cutucar” meu laptop nas horas vagas do dia-a-dia, vendo e postando fotos e aí fui em frente!

Nas conversas familiares, notei também que minhas filhas Raquel e Adélia, além dos meus netinhos Marcos Neto, Izaquinho, Malu e Clarinha, passaram a comentar fatos relatados no instagram. Assim, Logo descobri que elas também entraram na dança e passaram a ser meus fieis “seguidores”. Hoje tenho 712 seguidores, o campeão da família é o politico Hiltinho que tem 14.900 seguidores, o muito popular.

Analisando o fenômeno da comunicação, penso que o Instagram veio suprir locais populares de grande movimentação de pessoas, como os tradicionais “Ponto de Cem Reis” em João Pessoa, e o “Calçadão” em Campina Grande que perderam a força da comunicação atualizada.

Até mesmo no período da campanha eleitoral, o instagram se preservou dentro da comunicação respeitosa, alegre e descontraída. Raras foram as veiculações apimentadas...

Há quem diga que é uma verdadeira mania ou vício de quem tem tempo sobrando. Ledo engano, porque as maiores autoridades do planeta, a começar pelo Papa Bento XVI @benedictoxvi e presidente dos EUA Barack Obama @BarackObama  tem instagramo, os quais, obviamente, bem seguidos pela comunidade.

 

Finalmente, teclar, coçar e postar... é só começar!

  • 0 Comentários

Os dias imprensados entre o Natal e o Ano Novo fez o comércio de todo tipo, e de todo canto se agitar em gastar tudo e mais alguma coisa, que receberam do décimo terceiro salário e gratificações, numa natural troca de presentes, entre familiares e amigos mais chegados. Eis que, o bondoso Papai Noel não tem mais condições mínimas de presentear a todos. A mudança no calendário anual é sempre repetitiva e com animadas festas, roupas novas, bebedeiras, fogos de artifícios e promessas futuras que nunca acontecem.

Hoje eu me sentei na minha cadeira do escritório Souto Maior, fechei os olhos tentando alcançar alguma lembrança desde ano que passou. A gente avança no tempo, deixando atrás um rastro de saudades que oscila entre a alegria de viver e o amor com a tristeza da ausência!

É imaginável que, por esta simples razão, a festa de Papai Noel deixava o menino triste ao envolver-se na incerteza decorrente do dever não cumprido. Assim, ainda hoje padece dos reflexos aclimatados ao momento mágico da grande festa de confraternização entre os homens!

Confesso que a marca da infância permanece inabalável, mesmo com sete décadas de vida, deixando-me um tanto quanto desanimado sem atender aos chamamentos natalinos.

Perdi pessoas que me deixaram um rasgo de impotência por não conseguir superar enfermidades que não se dobraram às curas. A cada lembrança meu coração aumenta as batidas e fecho os olhos para melhor ver os que não estão mais conosco.

As lágrimas sempre escorrem pelo meu rosto, lavando a poeira da vida, quando não encontro quem eu desejaria rever... Mesmo assim, nunca quis deixar de recordar, ainda que ao alto preço da depressão oportunista, até porque, é com coragem destemida que chegamos ao sonho da mais pura saudade.

Mas, como disse, o tempo não pára. Quando nos damos conta, passou a adolescência, vivemos a idade adulta e enfrentamos a velhice.

O tempo está passando velozmente, e espero que tomamos coragem nesse novo ano que inicia, pois ela é o motor da mudança de nossas vidas e que deixamos o nosso passado pra trás, pois é um período curto, de despreocupação e de alegria por um ano terminado. E, de esperança, porque esta sempre se renova, diante do raiar de um novo tempo. Que Venha 2018!

 

(*) Advogado e desembargador aposentado

  • 0 Comentários

Todos que me conhecem sabem que sou torcedor fervoroso do Vasco da Gama e do Botafogo da minha Paraíba.

Assim como a acessão do Belo a Série B, poucos eram aqueles que apostavam que o Vasco terminaria a temporada com uma vaga na Libertadores, já que muitos acreditaram no rebaixamento do clube. Nosso Belo, a duras penas e na última rodada, conseguiu permanecer na Série C, já o Time da Colina conseguiu classificar-se a Pré-Libertadores. Com investimento modesto e orçamento limitado, o clube não pôde investir muito para montar o elenco de 2017.

A última rodada do Brasileirão foi cheia de emoção e a definição sobre o rebaixamento, a vaga na libertadores e na sul-americana só foi definida nos minutos finais das partidas entre Chapecoense e Coritiba, e Vitória e Flamengo, culminado com o Atlético-GO, a Ponte Preta, o Coritiba e o Avaí rebaixados a Série B, e Corinthians, Palmeiras, Santos, Grêmio, Cruzeiro e Flamengo (fase de grupo da Libertadores), e Vasco e Chapecoense, (Pré-Libertadores e Atlético-MG, Botafogo-RJ, Atlético-PR, Bahia, São Paulo e Fluminense (Sul-Americana).

A curiosidade e o ponto alto ficaram a cargo do arquirrival do Gigante da Colina, pois, em caso de sagrar-se campeão da copa Sul-Americana, o Vasco alçará a condição de classificado direito a Libertadores da América. E aí surgiu o maior dilema entre os fanáticos torcedores vascaínos: torcer ou não pelo histórico rival, nos jogos da próxima quarta e do dia 13, contra o Independiente? O sempre polêmico e controverso presidente Eurico Miranda se manifestou dizendo: “Eu não torço para o Flamengo. E acabou. Que aconteça o que tiver que acontecer. Não tem nenhuma chance de eu torcer.”, muitos ilustres torcedores e até ex-jogadores também opinaram, a exemplo do ex-presidente Roberto Dinamite, de Edmundo e de Felipe, contudo não veem problema nenhum em torcer para o Flamengo.

De fato, costumo torcer, sem euforia, para todo e qualquer time brasileiro, quero vê-los sempre campões e levando o nome do nosso país ao ponto mais alto, exceto, lógico, quando se trata do rival carioca. Torci por exemplo para o Grêmio ganhar a Libertadores.

Sem juízo de valor aos quem pensam diversamente, não vou torcer para o arquirrival de jeito nenhum, o Vasco terminou em sétimo, ou seja, na Pré-Libertadores, e para ganhar é até bom jogar essa fase, pois vai pegando corpo para a fase de grupos.

Neste caso, a rivalidade bate mais forte e mesmo que isso implique em dificuldades para o Vasco, nunca torcerei para o rival, isso são coisas do coração e do futebol e só quem é torcedor sabe.

 

(*) Advogado e desembargador aposentado.

  • 0 Comentários

últimos dias, a Cidade Maravilhosa deixou de chamar a atenção pelas belas paisagens da cidade, dentre elas o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor, o Morro da Urca e a praia de Copa Cabana, e, tristemente, chamou a atenção no cenário mundial com o aviltante descaso com o dinheiro público, que culminou com a derrocada de um Estado tão rico e importante para nosso país.

Ao que parece, a harmonia entre os poderes apregoado na constituição de 1988 está desaparecendo, vez que uma queda de braços está proposta entre os Poderes Legislativo que, segundo o Ministério Público Federal, está atolado até o pescoço na corrupção, e o Judiciário, que tem a árdua missão de aplicar a lei penal (punir) os infratores.

Lamentavelmente, membros da ALERJ estão envolvidos em escândalos, sendo o mais recente chamado Operação Cadeia Velha, tendo em vista que no imóvel, antes de ser a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, funcionava uma cadeia, daí o nome da operação que resultou na prisão dos deputados estaduais Jorge Picciane, presidente da casa, e dos deputados Paulo Melo e Edson Albertasse, por supostamente fazerem parte de um esquema de desvio de dinheiro público milionário, criação de leis para beneficiar o setor de transporte.

A Constituição Federal, no artigo 53, parágrafo 2º, expressa a imunidade parlamentar de que goza um deputado estadual, que após a sua diplomação, só pode ser preso em flagrante e por crime inafiançável, sendo os autos da prisão encaminhados imediatamente à casa legislativa, para que seus membros deliberem a manutenção ou revogação da prisão do seu membro, como assim o fez o TRF 2ª Região.

Em assembleia realizada no dia 17 de novembro do corrente ano, a ALERJ decidiu revogar as prisões dos seus membros, seguindo o parecer da Comissão de Constituição e Justiça da Casa, e mandou soltar seus membros imediatamente, ficando preso por menos de 24 horas.

O embate não para por aí, em sessão realizada na Turma Criminal do TRF 2ª Região, por unanimidade, os Desembargadores votaram, nesta terça-feira, dia 21, pela revogação da liberdade dos deputados estaduais Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, instalando aí uma grande queda de braço, pois o relator do caso disse que só pode soltar quem pode prender, só pode expedir alvará de soltura, quem expede mandado de prisão, portanto, só poderia ser revogada a prisão por órgão judiciário, ou seja, novos mandados de prisões serão expedidos.

Estamos diante de uma antinomia entre os poderes, somente com as cenas dos próximos capítulos saberemos o vencedor desta queda de braço, de uma coisa eu sei, quem perdeu com tudo isso foi a população do Rio de Janeiro, que viu milhões sendo desviados para uma minoria, deixando o povo, o verdadeiro destinatário sofrendo as consequências, tendo que viver sem saúde, segurança, moradia digna, educação, dentre outras necessidades essenciais para a subsistência. Que o Cristo Redentor olhe com misericórdia para o Rio de Janeiro.

Advogado e Desembargador Aposentado.

  • 0 Comentários

Quando escolhemos alguém para participar de nossas vidas,seja, para ficar, namorar, noivar ou casar, quase sempre surge em nós, um sentimento de ligação e aproximação com a pessoa. Aproximação que surge da semelhança pelos mesmos gostos, ideias, interesses e planos.

Por vezes a atração aumenta com as semelhanças entre estilo musical, time de futebol, bebidas, restaurantes, esportes e filmes. Pode ocorrer também a atração pelo oposto, aquelas diferenças do outro que nos surpreende, nos complementa, fazendo aumentar e despertaro  interesse. Essas coisas fazem parte da misteriosa arte da conquista.

Desde pequeno ouço um antigo ditado: “Para se conhecer uma pessoa é preciso que se coma, com ela, um saco de sal”. O saco de sal do mencionado ditado, deve pesar uns 50kg epodemos supor que levará muitos anos para ser consumido em sua totalidade, talvez uma vida inteira.

A convivência nos ensina que levamos anos para conhecermos alguém e uma vidajuntos ainda será pouco para entendermos a alma humana. Pois o ser humano é imprevisível, mutável, não ficamos inertes diante da vida e é comum nos surpreendermos até com as nossas atitudes. Tomamos decisões e atitudes que anos atrás talvez não o faríamos, este é o desenvolver da vida.

Uma reportagem me chamou a atenção esse começo de semana, uma paquistanesa recém-casada, foi presa e acusada de assassinato após matar dezessete pessoas de sua família ao tentar envenenar o marido. Segundo a polícia local, a jovem de 21 anos cometeu os assassinatos para tentar escapar de um casamento forçado, com um parente, apesar de suas constantes súplicas para escolher o próprio pretendente.

“Na semana passada, a jovem e seu amante, ShahidLashari, tentaram assassinar Amjad colocando veneno de rato em seu copo de leite durante uma reunião de família. Contudo, segundo o jornal Washington Post, o homem se recusou a beber do copo oferecido pela esposa.”

Provavelmente, situações extremas como as da reportagem mencionada, não sejam comuns nos relacionamentos.Entretanto, durante a convivência podemos tomar atitudes que “matam” quem está ao nosso lado, seja com palavras que ferem, desamor, egoísmo, ambição e falta de empatia. Matamos no outro, as promessas feitas no altar, a esperança de dias felizes em uma morte lenta e cruel.

A vida exige que tenhamos o pé no chão, distantes da ficção e da utopia.É necessárioempatia e paciência nesse processo de desconstrução e reconstrução.Entender o outro, reconstruir novos valores com as lições aprendidas, ganharforça com as quedas de velhas construções ecolocar em prática o conhecimento adquirido, para as novas construções se tornarem, enfim, fortes e duradouras.

*Advogado e desembargador aposentado

  • 0 Comentários

Ao despertar hoje tentei trazer a memória o que sonhei durante a noite, confesso que levei alguns longos minutos tentando recordar o que aconteceu em meu subconsciente.

 

Percebi então que eu não recordava, mas que haviam sonhos em minha memória que eu não esquecera e que foram estes os de maior importância.

 

Sonhos nos inspiram a viver. Pois foi assim que me senti hoje: um homem inspirado. Contente comigo mesmo, feliz por continuar sonhando independente de qualquer coisa.

 

Sair para trabalhar todos dias e encontrar com os meus companheiros de trabalho, pessoas queridas que lutam para conquistar os seus sonhos, isso muito me alegra. São eles que me inspiram a continuar trabalhando e acreditando que não há idade para sonhar. Os exemplos de resistência e coragem para lutar pela vida, independente das circunstâncias ou obstáculo,nos rejuvenesce.

 

Disse alguém de maneira sábia que os nossos sonhos são combustíveis, que eles alimentam a vida, a alma. E aquele que deixa de sonhar morre.

 

Me compadeço das pessoas das pessoas que não sonham. Que são pessimistas, e geralmente acham que são felizes assim. Ou, ainda, há uma categoria pior: os acomodados. É tão mais fácil ser assim, não? Não concordar diretamente com tudo que é errado, mas ser passivo à falta de respeito, a falta de honestidade, a falta de ética, a violência e a falta de personalidade. Não é comigo mesmo...nem devo me preocupar. Infelizmente, tem gente que age assim. E, com toda franqueza, elas não sonham, muito menos querem que as pessoas ao seu redor realizem os seus sonhos.

 

E como diria Paulo Coelho: “O mundo está nas mãos daqueles que têm a coragem de sonhar e de correr o risco de viver os seus sonhos.”

 

Que sejamos então guerreiros corajosos, pronto para enfrentar as batalhas diárias de sonhar.

 

(*) Advogado e desembargador aposentado

  • 0 Comentários

Todos os dias nos deparamos comreportagens acerca das mais diversas operações policias contra os malfeitos existentes no Brasil, principalmente da “Lava Jato”, com desdobramentos em todas as esferas.

No último dia 23 de outubro, o juiz Marcelo Bretas, responsável pelas ações da Operação “Lava Jato” no estado do Rio de Janeiro, sentiu-se ameaçado durante novo depoimento do ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral à Justiça, culminando com áspera discussão. Em determinado momento da audiência o réu afirmou que chegou ao seu conhecimento que a família de Bretas trabalha com bijuterias e que por isso sabia que a compra de joias não tem o condão de lavar dinheiro, quando indagado acerca das compras de joias feitas por ele e pela mulher, Adriana Ancelmo, na joalheria H. Stern.

O referido caso isolado ganhou grande proporção na mídia, no entanto de acordo com o resultado do Diagnóstico da Segurança Institucional do Poder Judiciáriorevelado durante a 1ª Reunião Nacional das Comissões de Segurança do Poder Judiciário, em 2016 o Conselho Nacional de Justiça - CNJ detectou que mais de 131 magistrados estão em situação de risco, estes distribuídos em 36 tribunais do país, sendo 23 magistrados do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), corte com o maior número de magistrados nesta situação.

Em 2011, este tribunal sofreu uma grande perda, a juíza Patrícia Acioli, foi assassinada com 21 tiros na porta de sua residência, a magistrada atuava em diversos processos em que réus eram PMs e culminou com à prisão cerca de 60 policiais ligados a milícias e a grupos de extermínio.

Outroque marcou sua trajetória profissional no combate ao narcotráfico e que sofre severas ameaças é o juiz federal Odilon de Oliveira, os quais coleciona condenações dos mais influentes traficantes de drogas com atuação na fronteira do Brasil com o Paraguai e a Bolívia, tendo se notabilizado por mandar prender o carioca Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. O magistrado conta com segurança da polícia federal 24 horas por dia e como gosta de dizer é'Réu de si mesmo'

Como magistrado, sofri ameaças, porém nunca me amedrontarei ou senti receio em tomar certa decisão por desagradar quem quer que seja, me pautei no direito e na missão judicante que me foi dada, e sempre tive o apoio da classe e da sociedade.

A ministra Cármen Lúcia-STF, na abertura da 32ª Sessão Extraordinária do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), condenou os ataques e ameaças sistemáticas que vem sofrendo a magistratura: “Os juízes brasileiros tornaram-se permanente alvo de ataques, de tentativa de cerceamento de sua atuação constitucional e, pior, busca-se mesmo criminalizar seu agir”.

As ameaças que vem sofrendo a magistratura significam um ataque à democracia e ao modo que a sociedade deliberou para resolver seus conflitos, e devem ser compelidas com punição àqueles que agridem a própria sociedade, pois esta é "A última trincheira da cidadania.”

 

  • 0 Comentários

De tempos em tempos, aparecem em nossas vidas pessoas iluminadas, uma dessas foi Sebastião Gomes da Rocha, conhecido pelos seus familiares como Babá e por seus amigos como Rochinha. Com temperamento extrovertido e sempre alegre, foi uma pessoa muito querida e fez muitos amigos por onde passou.

Nascido em João Pessoa, nos idos de 1921, filho de Emílio Gomes da Rocha e Virgínia Pereira da Rocha, tendo como único irmão o caçula Wilson, trabalhou desde de cedo, e com a perda prematura do pai, logo foi trabalhar com o tio. Concluiu o curso de Contabilidade, antigo “Guarda Livros”, no Instituto Comercial João Pessoa, em 1937.

Já no ano seguinte, foi trabalhar como secretário na prefeitura de Itaperoá, com seu primo capitão Irineu Rangel, sendo convocado pelo Exército para Segunda Grande Guerra em 1942. Em 1945 veio casar-se com sua amada e eterna namorada Oneide Paiva, indo morar em Recife e em seguida em Caruaru, quando nasceram os filhos Lilian e Ronaldo.

Retornaram para João Pessoa em 1954 onde continuaram a vida de comerciantes, estabelecendo-se com a Casa Brasil e posteriormente com a Lilian Modas, na Rua Visconde de Pelotas.

Nesse época vim a conhece-lo, pois as famosas lojas eram próximas a residência de meus pais dando início a uma longa amizade. Neste mesmo período iniciou sua carreira de administração pública, quando, exerceu por quatro mandatos consecutivos a vice-presidência da Junta Comercial do Estado e sempre em conversas amistosas dizia do meu sonho de um dia ser procurador da Junta, único cargo dentro da administração pública que não ocupei.

Já na Associação Comercial, inicio de minha carreira advocatícia, localizado a Maciel Pinheiro, por diversas vezes fui indicado pelo amigo para confecção de contratos sociais das empresas que iriam se cadastrar na Junta Comercial.

Humanista por natureza, sempre buscou ajudar o próximo vindo a executar trabalhos voluntários junto à comunidade, fundou a Associação de Amigos do bairro do Roger.

Também teve atuação de destaque na Igreja Católica, onde participou de vários movimentos, culminando com a pioneira transmissão da missa da Igreja de N. Sra. de Lourdes pela Tabajara aos sábados, bem como a Via Sacra da sexta-feira da Paixão.

Ontem, Deus levou nosso Rochinha, para descansar ao seu lado, nosso velho “guarda livros” esta agora organizando as coisas lá nos céus, com as mesma dedicação, esmero e prudência de sempre.

(*)Desembargador Aposentado

  • 0 Comentários

A escalada criminosa nos estados Nordestinos, com o aperto das Forças Federais no Sudeste, trouxe nos últimos dias a preocupação com a manutenção do regime imposto pelo conhecido pelo estatuto do desarmamento.

 

Várias são as pesquisas e estudos demonstrando que não existe relação direta com a verdade regular de armas para civis com a criminalidade, levando em consideração que nas nações onde existe restrição a criminalidade continua crescendo em larga escala.

 

A pressão vem popular é grande, principalmente, daqueles que se sentem refém da criminalidade e de um policiamento precário e desassistido, muitas vezes trabalhando no sistema de “enxugar gelo”.

 

Vários projetos estão em vias de serem sancionados, como o porte de arma rural, porte de arma para guardas municipais e agentes de trânsito, correndo em paralelo segue o projeto de parte de arma para advogados, que pedem só isonomia com juízes e promotores.

 

Para se ter uma ideia da pressão popular, uma pesquisa de “Ideia Legislativa” proposta pelo Senado Federal tratando do fim do Estatuto do Desarmamento, precisaria receber 20 mil apoios para o assunto tornar-se uma Sugestão Legislativa e ser debatida por senadores. Poucos dias antes do fim do prazo, a ideia já contava com mais do triplo de apoios necessários, ou seja, mais de 62.284 mil.

 

Em outra consulta perante o Senado Federal realizada em setembro, a página do Senado já havia recebido de 200 mil votos em consulta sobre a convocação do plebiscito para que a população decida sobre fim ou não do Estatuto do Desarmamento. Ao todo, 187.192 pessoas votaram pela convocação da consulta popular, enquanto 7.429 votaram não, conforme fonte oficial.

 

Atualmente, a permissão de porte de armas de fogo é dada mediante situações específicas, desde que o cidadão comprove devida necessidade, preferencialmente relacionada à atividade profissional ou risco e ameaça direta, além de comprovação de capacidade técnica e aptidão psicológica, entre outros requerimentos, tornando o porte bastante restrito.

 

Particularmente sou favorável à flexibilização das regras para posse e porte de arma, o projeto de desarmamento total da população foi alvissareiro, contudo não logrou cumprir seu papel que seria a redução da criminalidade. A mudança do estatuto parece-me ser um caminho sem volta, cabendo ao Parlamento antes escutar a população e promove-la.

 

(*) Desembargador aposentado

  • 0 Comentários

Nesta segunda-feira (02), foi comemorado o centenário de nascimento do desembargador Arquimedes Souto Maior Filho onde participamos das homenagens festivas no TJPB. Conheci e acompanhei de perto a trajetória do Des. Arquimedes Filho, homem simples, humanista e de posições fortes como um bom Souto Maior.

As festividades aconteceu no anexo do Tribunal de Justiça, prédio que leva seu nome, e contou com a presença de muitos amigos e admiradores,a cantora paraibana nossa prima Renata Souto Maior Arruda cantou o hino nacional à capela. Já o procurador de Justiça Marcus Vilar Souto Maior, sobrinho, em nome da família.

Em sua passagem pela presidência do Tribunal foi no Biênio 1978/1979, ficou marcado pela aquisição do prédio que foi destinado aos serviços do Fórum da Capital e hoje o anexo do Tribunal, também foi em sua gestão que elevou de 13 para 15 membros efetivos do Tribunal.

Falar sobre o saudoso primo é relembrar de muitas historias engraçadas, como dos casamentos que o Desembargador celebrou por livre e espontânea “pressão”, quando indagava para os rapazes que ofendia a honra das mocas donzelas.

Nas audiências sua excelência sempre advertia se não casar vai preso, e com essa advertência gentil realizou diversos casamentos.Ainda em Santa Rita baixou portaria onde as mulheres de vida fácil não poderia frequentar a feira livres no mesmo horário da senhoras da cidade.

Amante da natureza, tinha uma granja em agua fria com inúmeros animais silvestres, dentre eles até onça e uma leoa apelidado de Xuxa. Por sinal, Xuxa era criada como se fosse uma cadela de estimação, em uma das visitas ela quase abocanhou minha filha Raquel, pequena e que adorava cachorro, chegou perto para alisar e quase aconteceu um desastre. Com voz forte Arquimedes deu um grito e Xuxa parou no mesmo instante.

Humanista com inúmeros foram os favores prestados a várias pessoas pobres e desabrigados, Des Arquimedes tinha como marca seu bigode que era característica de seu temperamento forte. Seu gabinete no Tribunal de Justiça era abrigo para todos que precisava de uma ajuda e não tinha a quem recorrer.

Essa frase de Albert Camus revela um pouco do Desembargador Arquimedes Souto Maior Filho “A grandeza do homem consiste na sua decisão de ser mais forte que a condição humana.”

 

*Desembargador Aposentado e Advogado

  • 0 Comentários

Nas últimas semanas, vimos no cenário mundial, declarações de dois chefes de Estado com ameaças claras que demonstram que a intensão de ambos é de dizimar um ao outro do planeta terra.

De um lado, o imponente e soberbo presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, quando no seu mui aguardado e inflamado discurso proferido na 72ª Assembleia Geral da ONU, defendeu aideia de que a América haveria de ser posta em primeiro lugar e classificou o governo da Coreia do Norte como depravado, afirmando que, se for ameaçado, não terá outra escolha a não ser destruí-la completamente.

Do outro lado, um ditador sem noção da realidade, Kim Jong Um, que, no único canal de televisão da Coreia do Norte, afirmou que Donald Trump vai pagar caro por seu discurso pregando a destruição total da Coreia do Norte, acrescentando que cachorro assustado late mais alto, em referência às palavras duras do seu oponente.

Segundo informações dos Estados Unidos, a Coreia do Norte é um país comunista de partido único sob controle da dinastia Kim desde 1948. A nação é economicamente atrasada, fechada à comunidade internacional e tem seu comando baseado no culto à personalidade do atual líder, Kim Jong Un, não há liberdade de imprensa e direitos civis, sendo um país regido pela barbárie de um ditador.

Já a Coreia do Norte, em sua linha de defesa, alega que seu programa nuclear visa apenas a garantia da sua sobrevivência, acrescentando que com a posse de armas atômicas poderia dissuadir qualquer ação dos EUA para tentar derrubar o seu governo. Sabe-se que o programa nuclear coreano reveste-se, também, de uma forma para outorgar maior poder de barganha ao regime totalitário frente às grandes potências e, com isso, conseguir exigir concessões econômicas, contudo, neste ponto, ledo engano.

Evidentes os excessos cometidos pelos dois líderes. O caminho para a solução deste conflito não está nas ameaças, demonstrações de ego e força do tipo como lançamentos de mísseis, desfiles com milhares de soldados, exposições de caças e porta aviões, muito pelo contrário, o diálogo é o único mecanismo para a pacificação.

Precisamos ter ciência que as consequências poderão ser incomensuráveis, incalculáveis, vez que por mais que os Estados Unidos demonstrem poder influência mundiais, a Coreia do Norte, há anos, vem desenvolvendo seu programa nuclear sem que saibamos, ao certo, o verdadeiro poder bélico daquele pequeno país isolado na Ásia. Prudência e diálogo são os únicos meios para o deslinde deste impasse que pode gerar consequências inimagináveis para o mundo inteiro.

 

 

(*)Desembargador aposentado

  • 0 Comentários

Vemos o nosso Brasil enraizado e mergulhado no crime do colarinho branco e na corrupção das instituições públicas, sempre temperada abuso de autoridade e no egocentrismo dos poderosos de plantão.As malas do ex-ministro, Gedel Vieira Lima, encontradas e apreendidas pela Polícia Federal, me trouxe reflexões sobre os limites da riqueza material e da ganância existencial.

Lembrei-meda fábula árabe do Clube dos 99que, metaforicamente mostra a pureza do ser humano corrompida pelos bens e pelo poder, fazendo com que passemos a vida buscando o que não precisamos, precisamos de pouco para viver.

A celebre peça O menestrel do escritor William Shakespeare, traz ensinamentos simples para a vida cotidiana, pois “aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão” e “que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida”.

O cenário visto com as inúmeras malas escancaradas e repletas de dinheiro sujo,revela quão degradante é o vício pelo dinheiro e poder. Até onde chega a ganância do ser humano, não conseguindo retirar da cabeça o que levou a ser humano juntar, tanto dinheiro ilícito e a continuar em busca do poder.

Muitas vezes é preciso parar e refletir, com as atitudes alheias, como as malas do Gedel, pois muitos de nós fazemos parte do clube dos 99, precisando nos afastar do consumismo, lembrando precisamos de muito pouco para sermos felizes, que olhemos para os nossos familiares e amigos, além de valorizarmos o que já construímos com o suor do nosso trabalho, deixando de lado tal do “um pouco mais!”.

Finalizo com as palavras sagradas: “Eu te peço duas coisas, não mas negues antes de minha morte: afasta de mim falsidade e mentira, não me dês nem pobreza nem riqueza, concede-me o pão que me é necessário,para que, saciado, eu não te renegue, e não diga: Quem é o Senhor? Ou que, pobre, eu não roube, e não profane o nome do meu Deus.”(Provérbios, 30, 7-9)

(*) Desembargador aposentado

  • 0 Comentários

É corriqueiro nos processos de separação haver desgaste entres os companheiros, as brigas por pensão e guarda é a tônica dos processos litigiosos.A lei da alienação parental – a Lei nº 12.318/2010 – completou sete anos em vigor, contudo, o judiciário não tem feito muita força para coibir tais práticas ilegais.

De acordo com a lei, é considerado alienação parental todo ato de interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitoresou por quem tenha a criança sob sua autoridade, guarda ou vigilância.

Dentre os motivosconsiderados pela lei como alienação parental citamos: desqualificar da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade; dificultar o exercício da autoridade parental; dificultar contato com genitore convivência familiar; omitir deliberadamente a genitor informações pessoais relevantes sobre o filho (escolares, médicas e alterações de endereço); apresentar falsa denúncia contra genitor ou familiares, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança; emudar o domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a convivência com o outro genitor e familiares.

As punições pela pratica de alienação parental vão de advertências, passando por imposição de multa e até a suspensão da autoridade parental, hipótese extremamente grave.

Na realidade, a lei garante punições, mas por se tratar de atribuição de pena por ato praticado muitas vezes é asfixiada a punição por critériosabsolutamente subjetivos, ainda é possível ver decisões punitivas demasiadamente brandas e incapazes de promover o efeito pedagógico esperado.

A lei se for aplicada corretamente será capaz de coibir muitos os abusos de genitores, que usam os filhos para pressionar os antigos cônjuges, no intuito de força-los a retornarem o relacionamento, pagar pensões altas ou mesmo conseguirem patrimônio.

O pior de tudo é que as mães e os pais que cometem alienação parental não sabem que tais atos constituem em verdadeiras agressões psíquicas, inclusive, até comportamentos sutis, por vezes imperceptíveis, são perigosos e capazes de prejuízos psicológicos dificílimos de serem corrigidos até com acompanhamento de psicólogos, podendo prejudicar a criança para o resto de suas vidas.

De fato é de se parabenizar a atitude do Legislativo em construir instrumento normativo que visa coibir a agressão pisciolgocia de crianças e adolescentes feitas geralmente por qualquer dos genitores, com vistas a prejudicar o seu ex-companheiro, que na realidade só prejudicar a criança com a lavagem cerebral negativa e perniciosa.

Cabe ao Judiciário deixar a timidez, punido severamente os agressores, além de iniciar campanha de conscientização, junto com o Ministério Público e OAB lutarem pela conscientização dos malefícios da alienação parental. Aos pais fica a lição que o amor é o melhor remédio para curar as feridas e nunca passem para seus filhos suas desilusões amorosas.

 

(*) Desembargador Aposentado

  • 0 Comentários

Assunto mais badalado no Brasil foi à precipitação do Procurador Geral da República, Doutro Janot, nessa delação dos irmãos proprietários da JBS. Alguns, representantes do Judiciário, vêm nas atitudes de Janot como verdadeiras bravatas daqueles bêbados que querem demonstrar força a qualquer custo, levando quase sempre tropeços e quedas hilários.

Recentemente, em um pronunciamento na sede da Procuradoria Geral da República, o chefe do Ministério Público informou aos jornalistas que os “investigadores” obtiveram na última quinta-feira (31/08) áudios, com conteúdo que ele classificou como "gravíssimo", nos quais um dos donos da empresa, Joesley Batista, conversa com Ricardo Saud, diretor institucional da J&F e um dos delatores da Lava Jato.

O cenário traçado no Brasil é marcado pela instabilidade política criada e modelada por vazamentos seletivos de delações realizadas por delator, que não merece a mínima confiança, sempre reconhecido como corrupto ativo, que pauta os noticiários para alcançar lucros fáceis. Fato estranho, e já escancarado perante os meios de comunicação, é que de forma pouca republicana, o Procurador Geral da República tinha umaespécie de assessor direto contratado pela empresa JBF, com informações privilegiadíssimas.

Observem a trapalhada que o Dr. Janot está causando ao País. O nível de instabilidade e desconfiança que criada pelos vazamentos seletivos, agora não apenas nas instituições brasileiras, mas também sobre outros países. O Sub-procurador da República, Dr. Eitel Santiago, foi lapidar em recente entrevista ao programa Sem Censura, quando deu seu ponto de vistas, sob as delações: “Não merece perdão quem, depois de abocanhar, de modo irregular, bilhões de reais no BNDES e nos fundos de pensão dos trabalhadores, aplica o dinheiro ilegalmente obtido para abrir 54 fábricas nos EUA. Se fosse o procurador-geral não teria permitido nenhuma divulgação.”

Isso foi uma verdadeira lambança... Agora a cereja do bolo, são as informações da rádio corredor, sobre a aspiração política de Dr. Janot, candidatar-se ao governo mineiro, nunca vi politica e justiça caminharem juntas, vários ministros e ministra já se candidataram a cargos políticos e nenhum venceu nas urnas.

A lição tirada é que tudo tem limites, nem tudo vale a pena. Mas se a operação era secreta, quem vazou? Por que vazou? Essa precipitação do Dr. Janot, possibilitou o início ao processo de descrédito das delações. Aliás, a quem diga, que o responsável pelos vazamentos pode até ser processado por crime de lesa pátria. Os danos podem respingar em todos os lados. Com certeza a Lava Jato será afetada. Ao Dr. Janot, deveria ficar o ensinamento de estima a paciência, parque que no pretexto de rapidez, não adote a precipitação.

Para o filosofo francês, René Descarte, “deve-se evitar toda precipitação e todo o preconceito ao se analisar um assunto e só ter por verdadeiro o que for claro e distinto.

 

(*)Desembargador Aposentado

  • 0 Comentários

Essa semana começou triste com a morte do arcebispo emérito da Paraíba, dom José Maria Pires aos 98 anos, após complicações causadas por uma pneumonia. Ele estava internado na capital. Nascido em 1919, em Conceição do Mato Dentro, Região Central de Minas, Pires era conhecido com 'dom Pelé' e ficou à frente da Arquidiocese de 1966 a 1995. Ele era o bispo mais velho do Brasil e o primeiro bispo negro do país.

 

Dom Pelé teve atuação na defesa dos direitos humanos durante o período de ditadura militar (1964-1985). Dom José participou do Concílio Vaticano II, entre 1962 e 1965, tendo sido um dos signatários do Pacto das Catacumbas. Transferido para João Pessoa (PB), em 1965, ficou mais próximo de Dom Helder Câmara, um aliado na luta pelos direitos humanos. Teve participação valiosa nos conflitos pela terra na Paraíba ao defender camponeses, remediou ainda conflitos por terra na Paraíba e lutou contra a discriminação e o racismo.

 

Dom José Maria Pires teve uma conduta serena, pacifica, mas sempre critica e desde os primeiros passos na Paraíba, em plena fase de Ditadura Militar, com restrições às liberdades da cidadania, manteve sua altivez e independência. Chegou a ponto de celebrar uma Missa diante de um batalhão de soldados e capangas defendendo os sem terras.

 

Encerrou sua missão na Paraíba em 1996, mas sempre fez questão de vir ao Estado em ocasiões marcantes, como recentemente, quando da morte de dom Marcelo Carvalheira, que foi seu bispo-auxiliar e, posteriormente, com sua aposentadoria, tornou-se arcebispo da Arquidiocese.

 

Minha querida e saudosa mãe, Adélia, que era professora e muito católica, era admiradora de Dom José, pela sua luta incansável pelos pobres e camponeses. Sempre que podia assistia suas missas na catedral e se encantava com suas homilias em tempos de ditadura militar, com sua conduta firme contra as arbitrariedades do regime e sempre a favor das conquistas sociais dos mais necessitados.

 

Faço questão de manter acesa minha doce lembrança materna!  Tenho certeza que Jesus vai recepcionar DOM PELÉ, Que Deus o tenha, a saudade fica e sua memória será perpetuada!

 

(*) Advogado e desembargador aposentado

  • 0 Comentários

A invenção da Internet, sem dúvida alguma, foi acontecimento a interferir na vida humana em todo planeta, porque constituiu avanço tecnológico que permite, em tempo real, a comunicação dos povos em processo fabuloso de aculturação.

Ouvia muito se falar no novo fenômeno da comunicação online e em tempo real que é o Instagram foi criado por Kevin SystromMike Krieger e lançado em outubro de 2010. O serviço rapidamente ganhou popularidade, com mais de 100 milhões de usuários ativos em abril de 2012. Hoje, o Instagram está sendo utilizado para fins comerciais, que deixou de ser um aplicativo apenas de compartilhamento de fotos e vídeos, para torna-se uma ferramenta de negócios e até mesmo mídia de apoio para empresas físicas, o que valoriza seu perfil comunicador e integrador.

 

Tinha dificuldade em entender o que seria portal, site, blog, face book, orkut, newface, e tantas criações do mundo mágico da internet. No entanto, meus filhos Markito e Hiltinho, depois que recusei fazer parte dessas comunidades, pressionaram- me para aderir ao Twitter e Instagram.

 

De início não me interessei tanto, entretanto, a insistência dos filhos foi alicerçada com fotos de encontros familiares e reuniões com amigos, o que significa comunicação limpa e divulgação ampla, o que me fez render à sua proposta.

 

Formalizaram meu endereço eletrônico na comunidade do Instagram, timidamente comecei a fazer minhas primeiras incursões. De retraído, tímido e cauteloso, passei a “cutucar” meu laptop nas horas vagas do dia-a-dia, vendo e postando fotos e aí fui em frente!

 

Nas conversas familiares, notei também que minhas filhas Raquel e Adélia, além dos meus netinhos Marcos Neto, Izaquinho, Malu e Clarinha, passaram a comentar fatos relatados no instagram. Assim, Logo descobri que elas também entraram na dança e passaram a ser meus fieis “seguidores”. Hoje tenho 712 seguidores, o campeão da família é o politico Hiltinho que tem 14.900 seguidores, o muito popular.

 

Analisando o fenômeno da comunicação, penso que o Instagram veio suprir locais populares de grande movimentação de pessoas, como os tradicionais “Ponto de Cem Reis” em João Pessoa, e o “Calçadão” em Campina Grande que perderam a força da comunicação atualizada.

 

Até mesmo no período da campanha eleitoral, o instagram se preservou dentro da comunicação respeitosa, alegre e descontraída. Raras foram as veiculações apimentadas...

 

Há quem diga que é uma verdadeira mania ou vício de quem tem tempo sobrando. Ledo engano, porque as maiores autoridades do planeta, a começar pelo Papa Bento XVI @benedictoxvi e presidente dos EUA Barack Obama @BarackObama  tem instagramo, os quais, obviamente, bem seguidos pela comunidade.

 

Finalmente, teclar, coçar e postar... é só começar!

 

Advogado e Desembargador aposentado (*)

  • 0 Comentários

Soluções em Informática!