Maduro diz estar pronto para 'arrebentar os dentes' de Brasil e Colômbia » Enem libera notas nesta sexta-feira » Minas tem terceira morte por suspeita de contaminação de cerveja » Bolsonaro vê situação difícil e faz reuniões para discutir futuro de chefe da Secom » Avião ucraniano que caiu no Irã levava passageiros de sete nacionalidades » Ataque no Iraque foi 'tapa na cara' dos EUA, diz líder supremo do Irã » Por conta da nova Lei de Abuso de Autoridade, Polícia Civil não irá mais divulgar imagens de presos »


Irã anuncia que não vai mais cumprir acordo nuclear e que está livre para enriquecer urânio

Na prática, isso significa que o país não limitará mais o grau de enriquecimento de urânio que pode utilizar e nem o número de centrífugas que tem direito.

Resultado de imagem para Irã anuncia que não vai mais cumprir acordo nuclear e que está livre para enriquecer urânio

O governo iraniano anunciou neste domingo (5) que o país vai deixar de cumprir as exigências do acordo nuclear assinado em 2015, colocando assim um ponto final no pacto.

Na prática, isso significa que o país não limitará mais o grau de enriquecimento de urânio que pode utilizar e nem o número de centrífugas que tem direito, segundo divulgado pela TV estatal iraniana.

Teerã afirmou que todas essas medidas podem ser revistas se o governo americano retirar as sanções que impôs ao país.

No anúncio de dois parágrafos, o Irã não detalhou se pretende produzir armas atômicas ou se vai continuar permitindo a visita de observadores internacionais em suas instalações.

O governo afirmou apenas que seguirá cooperando com a AIEA (Agência Internacional de Energia Atómica), órgão internacional responsável por fiscalizar esse tipo de atividade.

O anúncio acontece dois dias após o ataque americano ao aeroporto de Bagdá que matou o general iraniano Qassim Suleimani, o principal comandante militar do país.

A ação piorou ainda mais a relação entre Teerã e Washington e fez crescer os temores de um novo conflito na região.

Os dois países romperam as relações diplomáticas em 1979, mas passaram por uma reaproximação durante o governo de Barack Obama.

Isso culminou com a assinatura do acordo em 2015, que estabeleceu limites para o programa nuclear iraniano em troca dos Estados Unidos e outros países ocidentais acabarem com as sanções contra Teerã.

Mas em maio de 2018, o presidente americano, Donald Trump, anunciou que Washington deixaria o acordo, ao afirmar que o pacto não impedia Teerã de desenvolver armas atômicas.

Seis meses depois, o republicano reinstituiu as sanções contra o país –são estas que Teerã quer que sejam retiradas agora.

Considerado um herói nacional no Irã, o general Suleimani, morto no ataque realizado pelos EUA, recebeu homenagem de iraquianos, que fizeram uma marcha carregando o caixão por Bagdá, no sábado (4), sob gritos de "morte aos EUA".

Como retaliação ao ataque, o Parlamento iraquiano aprovou neste domingo (5) uma resolução que pede ao governo que expulse todas as tropas estrangeiras do país, em uma medida que tem como principal alvo o Exército americano.

A decisão, que ainda precisa ser aprovada pelo Executivo, diz também que tropas estrangeiras não podem usar o território e os espaços aéreo e aquático do país de nenhuma forma.

 

ClickPB

 

Adicionar comentário

É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.


Código de segurança
Atualizar

Soluções em Informática!