Estava conversando e levando um de meus netinhos ao almoço no histórico restaurante Cassino da Lagoa na Capital Paraibana, onde as mesas sempre cheias com pessoas falando alto, acerca de assuntos,como ele diz, de “gente grande” e, para variar, sempre tem quem alguém por perto sobreo interminávelimpeachment da presidente Dilma. Nesse particular, na mesa ao lado o tema era o turismo oficial realizado pela presidente afastada, que vive voando com familiares, convidados e auxiliares em jatinhos da Força Aérea Brasileira, principalmente entre Brasília,Porto Alegre, São Paulo e, outros lugares da classe A. Foi aí, quemeu mais novo neto, com pouco mais de 12 anos de idade, Isaac Souto Maior, aluno do Colégio Pio X, Marista, esboçou um sorriso, arrebitando o nariz, para perguntar: - Vovô,porque essa mulher danada,deseja mandar no Brasil, enquanto muito pouco fez para amenizar os problemas de desigualdade, que sofrem à população das cidades do país. Ela já devia ter saído de vez, vovô!

Senti desconforto na conversa familiar, quando o avô fala muito pouco francês e o neto,mais ainda, por ter opção pelo o inglês, língua de maior utilidade para se comunicar no mundo inteiro, e, principalmente para os que ainda estudam! E puxei na estória que o vocábulo brasileiro, piche, bem poderia ser também, algum tipo reduzido de impeachment, mal acabado, desviado de suas funções pegajosas, e fedorentas quando destilam o alcatrão com aterebintina. O pequeno notável de plano retrucou: - Vovô deixe de enrolada, piche não tem nada haver com impeachment.Piche é de petróleo e para colocar nas ruas, e, o impeachment é para tirar do poder os presidentes do Brasil, já tivemos até isso aqui!

A inteligência de Isaaquinho, como carinhosamente chamo, me deixou atônito, me levando a conversar e explicar sobre o processo de impedimento e trazer críticas prudentes a segunda gestão da Presidente Dilma, que chamei de faz de conta,diante dos absurdos e desgovernos existentes em todos os escalões do governo federal, após sua reeleição. Sem perder o tom de brincadeira, já que o assunto era muito árido, tratei de fazer uma relação do piche e impeachment, dizendo que os dois são complexos em sua constituição e processamento de formação, mas no final ambos tem grande utilidade, para o crescimento e organização das ruas no caso do primeiro e da limpeza e organização do Poder Executivo, no caso do segundo.

Finalmente, lembrei que de tão complexo, o processo de impedimento, tratado como golpe por alguns, foi levado a Organização dos Estados Americanos (OEA) por parlamentares petistas inconformados, na tentativa de barra seu processamento, despistando o receio da inadiável decisão que acontecerá em breve, quando os Senadores brasileiros tomaram conhecimento da instrução e coleta de provas, sob a presidência do presidente do STF, abrirávotação, para julgamento da cassação. É esperado uma goleada, em torno de mais de 60 votos em favor do impeachment, em seguida Michel Temer já pode estudar a completa exposição ao seu governo legal, que os nordestinos esperam com fervor o imediato uso da verba contra a seca, destacando-se o necessário aumento de 12,5% para o Bolsa Família, além da retomada de criação de empregos, em todo país.

O mestre mundial Voltaire, pontuou no seu tempo, quando deliberou acerca do governos e suas administrações, verbis: “O melhor governo é aquele que há menos homens inúteis.”

(*) Desembargador aposentado e advogado