Bolsonaro indica deputado mais votado de Minas para o Ministério do Turismo » Samuka Duarte é condenado por improbidade administrativa por acúmulo de cargos » Colisão com asteroide provocará explosão extremamente poderosa » PRF divulga edital de concurso público com 500 vagas e salário de R$ 9,4 mil » Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica discute obesidade e tratamentos em JP » Veneziano anuncia audiência com Ministro da Integração para debater vazão da Transposição na PB » TRF4 mantém condenação de Dirceu »


Falta de lubrificação na menopausa

Gel à base de água, cremes, anéis vaginais, implantes e até aumento no tempo de carícias podem ajudar a resolver o problema

A falta de lubrificação nessa faixa etária geralmente está associada ao climatério ou à menopausa, período em que ocorrem alterações da genitália e neuropsíquicas e hormonais, como a queda do estrógeno.

Nessa fase, a libido também pode ficar prejudicada. Contudo, sua queixa e de tantas outras mulheres está relacionada aos incômodos ou às dores provocadas pelo ressecamento. Em alguns casos, durante o coito, o atrito pode ferir a parede da vagina, provocando sangramento. A secura vaginal deixa a mulher vulnerável a inflamações e infecções, causando coceiras e queimação.

Uma forma prática de resolver o problema é usar um gel à base de água que é facilmente encontrado nas farmácias. Ele pode ser usado com frequência pelo casal não só para a penetração, mas na prática da masturbação, sexo oral e anal. É um ótimo recurso para tornar a relação prazerosa, aumentar a segurança durante o coito e a autoestima – porque a mulher se sente sexualmente ativa.

Lubrificantes à base de óleo não são recomendados, pois podem provocar irritação vaginal.

Cremes e anéis vaginais, adesivos, comprimidos e implantes cutâneos fazem parte da terapia de reposição hormonal, que é uma maneira de prevenir ou minimizar as alterações e os sintomas. Contudo, só poderão ser utilizados após uma avaliação do ginecologista. A avaliação considera o histórico de saúde da paciente, os hábitos alimentares, o estilo de vida, o resultado dos exames hormonais, entre outros.

Leia mais colunas de Fátima Protti

Existem no mercado tratamentos alternativos, como os fitoterápicos e a acupuntura, mas nada deve ser feito sem a indicação médica porque cada uma tem sua história.

Quanto ao sexo, nessa fase o casal precisa prolongar o tempo de carícias para minimizar a perda da sensibilidade das regiões erógenas, achar melhores posições, fantasiar e abusar do afeto. A troca emocional e a saúde física são determinantes para a saúde sexual da mulher, já que os hormônios não são os únicos vilões dessa história.

 

Adicionar comentário

É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.


Código de segurança
Atualizar

Soluções em Informática!